O que são células?


Paróquia em Célula.

As Células são grupos de relacionamento constituídos de 8 até 15 pessoas que se reúnem semanalmente como uma família, e que têm o compromisso de participar nas celebrações e demais atividades da Paróquia, a comunidade maior.

Uma Igreja viva como as primeiras comunidades

No templo e pelas casas, esse era o modelo eclesial encontrado no Novo Testamento (cf. At 2, 46; 5, 42; 20, 20 etc.). Duas asas que, agindo harmoniosamente, levavam a águia chamada Igreja a alçar vôo, indo ao encontro da sociedade e anunciando-lhe o Evangelho.

Sobretudo após o século IV a Igreja foi deixando esse formato. Cada vez mais presente nos prédios cristãos (templos) e cada vez menos nas casas, o ministério foi ficando cada vez mais restrito aos ministros ordenados e os leigos tornando-se passivos espectadores. Conseqüência: não é difícil encontrarmos igrejas cheias de gente vazia, sem contar o anonimato que caracteriza as “comunidades” paroquiais. Faltam relacionamentos, interação e vida de corpo, sobram comportamentos intimistas de uma religião apenas vertical, ou o terrível hábito do consumo religioso (freguesia). Sem comunidade, como fazer missão?

Com a visão das células tentamos retomar o padrão que traz equilíbrio: templo (celebrações) + lares (pequenas comunidades) + ministérios (serviços).

A ideia é a seguinte: estar no templo para celebrar, estar na casa para a vivência comunitária e estar no mundo para servir com o Evangelho. Esse é o tripé ideal de uma paróquia articulada em células. Todos os fiéis, uma vez alcançados com o anúncio querigmático e conseqüente encontro pessoal com Cristo são discipulados (na sua própria célula, nos encontros pessoais periódicos com seu líder-discipulador e em cursos de formação permanente) e enviados à missão, engajando-se ministerialmente (nas pastorais) e vindo a assumir a liderança de novas células.